quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Encruzilhada…

Não está fácil… não está mesmo nada fácil…

Estes últimos dias (para não dizer anos) têm sido complicados… muito trabalho, ambiente pesado em casa com uma discussão que me colocou numa encruzilhada daquelas… após muita reflexão, continuo indecisa…

Tenho 28 anos e ainda vivo com os meus pais… não sinto vergonha nenhuma nisso, mas confesso que preciso mesmo do meu espaço… Pormenores: a minha Mãe é espectacular, mas o homem que se diz meu pai não é espectacular… é precisamente o oposto, com o vicio do álcool, nunca soube dar apoio nas horas difíceis (e acreditem que já tive umas mesmo muito complicadas em termos de saúde) mas sempre esteve presente para humilhar e maltratar…

Há cinco anos atrás, a minha irmã saiu de casa… se as coisas eram ruins nessa altura, a partir daí parece que ainda pioraram… Acontece que já não consigo viver mais nesta situação, mas fico em pânico com a ideia de deixar a minha Mãe sozinha com ele… Já tentámos de tudo… nunca lhe faltou apoio para deixar o vício e, se calhar, foi esse o nosso maior erro… colocá-lo fora de casa, não é uma opção para a minha Mãe, pois ele está desempregado e, apesar de tudo, ama-o e não consegue deixá-lo desamparado…

Acontece que ele é um LORD, tem os “amigos” que lhe pagam algumas das noitadas, outras sabemos que fica a dever, depois pede perdão como se tudo ficasse esquecido e resolvido com um simples pedido de desculpas… Em contrapartida, eu e a minha Mãe pagamos todas as despesas da casa, enquanto ele fica em casa a reclamar que é um pobre diabo e que ninguém o entende…
Mas eu entendo-o… oh se entendo… é um ingrato… um alcoólico… manipulador… com muita crueldade naquele coração (se é que o tem)
Nesta última discussão, optei por gritar “ESTOU FARTA!” até me doer as cordas vocais… CHEGA!!! Nunca o maltratei, nunca na vida lhe disse na cara o que ele realmente é… quando tinha as suas ressacas, estive sempre com uma chávena de chá e nenhuma palavra reprovadora… cheguei mesmo a faltar à faculdade para ir buscá-lo completamente bêbado e perdido numa rua em Lisboa cujo endereço soube por uma pessoa que me ditou por telefone…

E sem dar por isso transformei-me na mãe do meu pai… Preocupada, com um nó no estômago e sem dormir, com as vezes em que eram já 08h00 e não sabíamos dele…
Anos e anos de sofrimento…
Anos e anos de desculpas e “Foi a última vez, filha…”
Agora, vigora em casa o “silêncio”, ninguém fala com ele… mas isso não resolverá nada… eu sei disso e a minha Mãe também, mas ela nega-o…
ESTOU FARTA!!! Sinto que estou a dar em maluca… Já comecei a procurar casas, mas não consigo sair de casa com a prestação do carro… comprei-o faz um ano e meio e falta-me mais um ano e meio para terminar a prestação, pois para pagar apenas em 3 anos, digamos que a mesma quase que parece a prestação de um T0.… trabalhei tanto para o ter e faz-me falta no dia-a-dia mas estou mesmo a considerar a hipótese de colocá-lo à venda… não sei se aguento mais um ano e meio naquela casa…
Estou de rastos…

Numa verdadeira encruzilhada…

11 comentários:

Maariah disse...

Enviei-te e-mail. Beijinhos

aryabodhisattva disse...

Nem sei o que dizer. Aliás, nem há nada que ninguém possa dizer. Cá estamos para ouvir desabafos e para enviar energia positiva, independentemente de qual seja a tua decisão.
Stay strong, girl.

Uma amiga disse...

Não podes continuar a viver assim.
Já nem deves conseguir respirar e o respirar é algo que já nasce connosco.
Como é que está o teu interior? Vazio, amargo, revoltado e por mais que tentes ninguém te entende?
As tuas ideias estão soltas, perdidas num mar onde as ondas te enrolam e que simplesmente não te deixa emergir e sentes que não tens ar?
Sentes que te sugam a energia e ainda és tão nova, tão nova e com tanto desgaste emocional.
Estás quebrada agora, mas tudo passa, tudo tem uma solução porque eu e muitas pessoas já passaram por isso e são essas situações que nos fazem crescer. Somos duas pessoas com sentimentos muito bons e que ainda temos muito para dar.
Respira e nunca deixes de gostar de ti, nunca.
Tens de estar sempre em primeiro, senão viras "uma mola" em que as pessoas vão contnuar a fazer pressão e quando essa pressão se soltas, as consequências podem ser assustadoras e tu não queres isso, nem deixes que te façam isso.
Uma amiga,

Angelo disse...

Oh minha querida, nem sei o que te disse a não ser que percebo muito bem o que dizes. Não de forma não grave, mas percebo.

Percebo que te preocupes com a tua mãe, mas tens que te colocar em primeiro lugar. E se para isso tiveres que vender o teu carro, força!

Um grande beijinho de coragem!

# Ana # disse...

Precisava de desabafar... ainda a ponderar bem os acontecimentos, mas sinto-me mais calma... Decisões do genéro, não podem ser feitas de "cabeça quente" Obrigada pela vossa compreensão...

Bjinhos

Angelo disse...

E mais beijinhos!

E se precisares de um abraço mesmo à séria, é só dizeres!

summer finn disse...

Lamento que tenhas passado por tudo isso e por ainda estares a passar. Fico por aqui a torcer para que consigas sair dessa situação e também ajudar a tua mãe. As minhas palavras não valem nada mas se quiseres desabafar, estou por aqui.

Abraço forte.

o meu canto disse...

Linda, identifico me mt ct.
O meu é a mesma coisa, bebe k se farta, esta desempregado já á algum tempo e so sabe mandar vir c a minha mãe.
Eu casei-me e por isso sai de casa, kuando m divorciei e com uma filha n kis voltar, pk tas a imaginar o ambiente c uma criança peq. k esta sempre a fazer barulho, né?
Como já sabia o k me espera comprei carro, mas com uma prestação mais baixa e aluguei um t1, que para nós 2 chega perfeitamente, é do best...passados 2 anos nessa casa vou comprar um t2, ja c um quartinho para ela.N é fácil, há meses em fico c a conta a zeros, mas vai dando para as despesas e miminhos(poucos).
Faz um esforço, na vida engolimos muitos sapos, acabas de pagar o teu popo, o tempo tb passa a correr, e depois compras uma casa k será o teu ninho.
Um beijo grande

# Ana # disse...

Mais uma ves obrigada pelo vosso apoio.
É reconfortante saber que alguém "ouve" os nossos desabafos.

Abraços sentidos.

Bjinhos

Maria Manuela disse...

Nem sabes o número de vezes que já li este post e fui embora.

Ana, correndo o risco de estar a falar de cor, só queria dizer-te que as opções e escolhas da tua mãe (e sim querida ela tem escolha. Pode ser difícil, mas ela tem escolha. Pode escolher entre continuar ou romper e levar uma vida diferente) não têm que condicionar as tuas escolhas e opções.

Com a idade que tens ainda podes beneficiar do programa de incentivo ao arrendamneto jovem. Se quiseres saber mais envia-me um mail.

bj

Euzinha disse...

Não pela mesma perspectiva que tu, mas já passei por algo semelhante. O meu pai esteve 6 anos agarrado a uma cama, o qual só eu e a minha mãe tratavamos, forma momentos dificeis,por vezes dolorosos e desgastantes. Onde só dava mesmo vontade de sair e desaparecer de casa!!! E lá está ter o meu espaço, o meu canto.. o meu refúgio.
Senão tivesse tomado certas opções na minha vida poderia ter saido de casa muito mais cedo que com 28 anos! Mas um dos meus maiores travões foi o facto de deixar a minha mãe sozinha, 1º a tratar dele (mas sozinha) e mais tarde sozinha mesmo!!!
Mas tu es uma grande mulher que vai conseguir superar isto e quando olhares para trás vais ver que isto só te tornou mais forte!!!!

Beijinhos e muita força!!!!